domingo, 30 de julho de 2006

Saco de feijão


Depois de se tornar conhecida participando de festivais de televisão, Beth Carvalho dedicou-se ao samba, a partir de 1971, consagrando-se como uma das mais importantes intérpretes do gênero. Assim começou a acumular a cada disco sucessos como “Mil e Oitocentas Colinas”, “Folhas Secas”, “As Rosas Não Falam” e “Saco de Feijão”, um samba de Chico Santana, integrante da Velha Guarda da Portela.

Reclamando da carestia da vida, num linguajar irônico e até certo ponto divertido, a composição relembra com saudade “os tempos de outrora”, bem melhores, segundo o autor, do que o que se vivia na ocasião: “No tempo dos dez réis e do vintém / se vivia muito bem / sem haver reclamação...” E, jogando a culpa no cruzeiro (“depois que inventaram o tal cruzeiro / (...) / deixo um saco de dinheiro...”), desabafa no estribilho: “De que serve um saco cheio de dinheiro / pra comprar um quilo de feijão...”

Isso acontecia em 77. Na década seguinte, quando a inflação chegou ao auge, “um saco de dinheiro” mal daria para comprar um quilo de feijão (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Saco de Feijão (samba, 1977) - Francisco Santana - Intérprete: Beth Carvalho

LP Nos Botequins Da Vida / Título da música: Saco de Feijão / Francisco Santana (Compositor) / Beth Carvalho (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1977 / Nº Álbum: 103.0218 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Samba.


Tom : E
Introdução: E

E                  B7            E
Meu Deus mas para que tanto dinheiro
         C#7      F#m
Dinheiro só pra gastar
                                 B7
Que saudade tenho do tempo de outrora
     F#m7         B7   E
Que vida que eu levo agora
B7     E        G#7
Já me sinto esgotado
    C#m              Bm7
E cansado de penar, meu Deus
     E7        A
Sem haver solução
Am7         B7            E          C#7
De que me serve um saco cheio de dinheiro
F#m7             B7        E
Pra comprar um quilo de feijão
          Bm7 E7
Me diga gente
A           Am             E         C#7
De que me serve um saco cheio de dinheiro
F#m7             B7        E
Pra comprar um quilo de feijão
C#7  F#m7        B7           F#m
No tempo dos "derréis" e do vintém
     B7        F#m        B7        E
Se vivia muito bem, sem haver reclamação
  C#m                     G#m
Eu ia no armazém do seu Manoel com um tostão
F#7                  F#m7 B7
Trazia um quilo de feijão
A                B7             E
Depois que inventaram o tal cruzeiro
    C#7                    F#m
Eu trago um embrulhinho na mão
            B7         E
E deixo um saco de dinheiro
             E7
Ai, ai, meu Deus
Postar um comentário