segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Vocalistas Tropicais

O conjunto vocal-instrumental Vocalistas Tropicais foi organizado em 1942, em Fortaleza CE, passando por diversas formações, até fixar-se com Nilo Xavier da Mota (Fortaleza 1922—), líder, arranjador, violonista e cantor; Arlindo Borges (Recife PE 1921—), solista de violão, Raimundo Evandro Jataí de Sousa (Fortaleza 1926—), cantor, arranjador e violeiro; Artur de Oliveira (Fortaleza 1922), cantor e afoxê; e Danúbio Barbosa Lima (Fortaleza 1921), tantã.

Atuaram na Rádio Clube do Ceará e em 1944 excursionaram pelo Maranhão, seguindo depois para Manaus AM. Em 1945 foram para o Rio de Janeiro, onde cantaram em festas, até serem contratados pela Rádio Mundial.

No ano seguinte, lançaram seu primeiro disco, pela Odeon, com o fox Papai, mamãe, você e eu (Paulo Sucupira) e Tão fácil, tão bom (Lauro Maia). Paulo Sucupira (Fortaleza 1924—) pertenceu ao conjunto, chegando a gravar vários dos primeiros discos como crooner, tendo depois abandonado o grupo.

Transferiram-se, então, para a Radio Tupi, atuando também nos cassinos cariocas, depois fechados, quando passaram a se apresentar em shows, alem de participarem de filmes.

Em 1948 lançaram pela Odeon os sucessos Exaltação a Noel (Valdemar Ressurreição) e Não manche o meu panamá (Alcibíades Nogueira). Obtiveram grande sucesso no Rio de Janeiro com músicas carnavalescas, como a marcha Jacarepaguá (Paquito, Romeu Gentil e Marino Pinto), lançada para o Carnaval de 1949; e as marchas de Paquito e Romeu Gentil Daqui não saio, para o Carnaval de 1950, e Tomara que chova, para o Carnaval de 1951, todos pela Odeon.

Também obtiveram êxito com o fox Trevo de quatro folhas (Harry Wood e Morton Dixon, versão de Nilo Sérgio), de 1949, e Não fale mal de ninguém (Dias da Cruz e Ciro Monteiro), de 1952, ambos gravados na Odeon.

Em 1953 lançaram na Continental, com o cantor Rui Rei, para as festas Juninas, a marcha Pedido a São João (Herivelto Martins e Darci Oliveira) e o baião Marieta vai (Arlindo Marques Júnior e Roberto Roberti), gravando ainda o Samba, maestro (Alcibíades Nogueira).

No ano seguinte, lançaram em disco Continental a marcha Guarda-chuva de pobre (Raul Sampaio, Francisco Anísio e Rubens Silva) e o samba O lugar da solteira (Clemente Moniz e Guilherme Neto). Para o Carnaval de 1956 gravaram na Copacabana a marcha Turma do funil (Mirabeau, Milton de Oliveira e Urgel de Castro), desfazendo-se o conjunto por essa mesma época.
Postar um comentário