segunda-feira, 17 de abril de 2006

Apesar de você



Chico e Marieta
Na Europa havia mais de um ano, Chico Buarque voltou ao Rio em março de 70, influenciado por André Midani, diretor de sua gravadora, que lhe assegurava “estar melhorando a situação no Brasil”. Mas descobrindo ao chegar que, ao contrário, a situação piorara, externou seu desapontamento no samba “Apesar de Você” que, entre outras coisas, afirmava: “Você vai pagar / cada lágrima rolada / nesse meu penar / apesar de você / amanhã utro dia / você vai se dar mal / etc. e tal...”

Por incrível que pareça, este desabusado recado à ditadura, propositalmente muito mal disfarçado numa fictícia briga de namorados, passou pela censura e foi lançado por Chico num compacto simples. Resultado: o samba estourou nas rádios e já se aproximava da citra de cem mil discos vendidos, quando o governo entendeu a mensagem e, imediatamente, proibiu a música, recolheu e destruiu os discos e, para completar, puniu o censor incompetente. Apenas se esqueceu de destruir a matriz , o que possibilitou a reedição do original, depois que a tempestade passou.

Daí em diante, e até o final da ditadura, Chico Buarque seria implacavelmente marcado pelos censores, sofrendo suas letras os mais absurdos vetos e rejeições. A situação chegou ao ponto de ele ter que se disfarçar, sob os pseudônimos de Julinho da Adelaide e Leonel Paiva, para aprovar três composições que incluiria no elepê Sinal fechado, em 1974. Descoberta a farsa, porém, a censura criou novas exigências: toda letra apresentada teria que ser acompanhada de cópias da carteira de identidade e do CPF do compositor (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Apesar de você (samba, 1970), Chico Buarque
Am     Am7+       Em7/5-
Hoje você é quem manda
 D7/9            G7/13
falou, tá falado
            C7+/9     E/G#
Não tem discussão, não
Am       Am7+       Em7/5-
A minha gente hoje anda
          A7                G/A    A7/5+
falando de lado e olhando pro chão, viu
  D7/9        G7/13      C7+
Você que inventou esse estado
       Fm9         C7+       Fm9     Em    C7/9 F7+
e inventou de inventar toda a escuridão
             E/G#       Am
Você que inventou o pecado,
     C7/9          F7+ G7/13 C   G7/13  C 
esqueceu-se de inventar o perdão
  G7/13     C               A7/5+     Dm7    G7
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia
              Dm7
Eu pergunto a você
               G7
onde vai se esconder
           Dm7  E/G#   
da enorme euforia
Em7/5-           A7
Como vai proibir
                  G/A A7/5+ Dm7   Fm9
quando o galo insistir em cantar
    Bb7        Em7   A7/5+  
Água nova brotando e a gente
   D7/9   G7/13  C     E/G#
se amando sem parar
Am         Am7+     Em7/5-
Quando chegar o momento,
    A7/5+    D7/9    G7/13
esse meu sofrimento
             C7+/9    E/G#
vou cobrar com juros, juro
Am          Am7+      Em7/5-
Todo esse amor reprimido
              A7
esse grito contido,
               G/A  A7/5+
este samba no escuro
    D7/9               C7+/9
Você que inventou a tristeza,
     Fm9        C7+   Fm9     Em7  C7/9  F7+
ora, tenha a fineza de desinventar
           E/G#      Am
Você vai pagar e é dobrado,
    C7/9       F7+
cada lágrima rolada,
G7/13     C      G7/13  C
nesse meu penar
  G7/13     C               A7/5+     Dm7    G7
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia
              Dm7
Eu pergunto a você
               G7
onde vai se esconder
           Dm7  E/G#   
da enorme euforia
Em7/5-           A7
Como vai proibir
                  G/A A7/5+ Dm7   Fm9
quando o galo insistir em cantar
    Bb7        Em7   A7/5+  
Água nova brotando e a gente
   D7/9   G7/13  C    
se amando sem parar
 
 

Nenhum comentário: