domingo, 30 de julho de 2006

Romance da bela Inês

Alceu Valença
Alceu Valença
Intro (D   G/E)  

     D                     G/E     
Uma musa matriz de tantas músicas 
                             D 
Melindrosa mulher e linda e única    
Como o lado da lua que se oculta 
Escondia o mistério e a sedução    
Comovida com a revolução 
De Guevara, Camilo e Sandino    
Escutou meu Espelho Cristalino 
Viajou nosso sonho libertário    
Bela Inês, com seu peito de operário 
A burguesa que amava o Capitão    
  
     D                           G/E   
Acontece que a história não tem pressa 
                               D 
E o amor se conquista passo a passo    
O ciúme é a véspera do fracasso 
E o fracasso provoca o desamor    
Bela Inês teve medo do "condor" 
Queimou cartas, lembranças do passado    
E nessa guerra de Deus e do diabo 
Entre fogo cruzado desertou    
Bela Inês, com seu peito de operário 
Não me esconde seu ar conservador    
  
Refrão 
  
 D      G/E                  D  
Mas eu tenho um espelho cristalino    
Que uma baiana me mandou de Maceió    
Ele tem uma luz que me alumia    
Ao meio dia, clareia a luz do sol  

 D          G/E                  D  
Oha que eu tenho um espelho cristalino    
Que uma baiana me mandou de Maceió    
Ele tem uma luz que me alumia    
Ao meio dia, clareia a luz do sol  

     D                           G/E   
Acontece que a história não tem pressa 
                               D 
E o amor se conquista passo a passo...    

   
   D                     G/E   
Apesar dos pesares não esquece 
                      D 
Nosso sonho real e atrevido    
Bela Inês tem o peito dividido 
Entre um porto seguro e o além-mar   
  
(Volta ao Refrão e finaliza) 
Postar um comentário