quinta-feira, 18 de maio de 2006

Eu preciso aprender a ser só

Marcos Valle 1965
Durante algum tempo, amigos de Marcos Valle como Joyce Edu Lobo e Dori Caymmi acharam, depois de conhecerem uma de suas novas criações, a composição já era tão bonita que nem sequer precisava ter letra.

Com encadeamento muito bem elaborado para uma melodia intuitiva e esplendidamente desenvolvida sobre um tema que, inclusive, era aproveitado na sela parte, em menor, a canção também impelia Marcos a concordar com a idéia. Isso até que seu irmão, Paulo Sérgio, propôs escrever-lhe uma letra romântica, conseguindo criar um poema perfeitamente ajustado ao espírito melodia — “Ah, se eu te pudesse fazer entender / sem teu amor eu não o viver / e sem nós dois / o que resta sou eu”.

“Preciso Aprender a Ser Só” foi originalmente apresentada por Elis Regina num show no Teatro Paramount, em maio de 64, do qual participava o próprio Marcos, cantando com ela “Terra de Ninguém”, canção de protesto de sua autoria (com Paulo Sérgio), que se tornaria tema de abertura de “O Fino da Bossa”. Depois, ambas as canções seriam muito divulgadas no celebre elepê Dois na bossa, com Elis, Jair Rodrigues e o Jongo Trio, gravado ao vivo em abril de 65, quase ao mesmo tempo em que Marcos lançou-as, acompanhado por arranjos de Eumir Deodato.

“Preciso Aprender a Ser Só” foi premiada pela Rádio Jornal do Brasil como a melhor canção de 65, tendo recebido nesse ano inúmeras gravações como as de Alaíde Costa, Dóris Monteiro, Pery Ribeiro e Os Cariocas.

Em 1975, participando em Los Angeles de um disco de Sarah Vaughan, Marcos Vale mostrou-lhe suas canções, levando-a a planejar a gravação de um álbum de música brasileira. Esse projeto se concretizou no final de 77, apresentando em uma das faixas “If 1 Went Away”, a versão americana de “Preciso Aprender a Ser Só”. Curiosamente, a canção inspirou uma resposta: “Preciso Aprender a Só Ser”, de Gilberto Gil (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).



Eu preciso aprender a ser só (canção, 1965) - Marcos Valle, Ruy Guerra e Paulo Sérgio Valle - Interpretação: Os Cariocas
F7+         Bm7    E7       F7+
Ah   se eu te pudesse fazer entender
         Cm7          F7       Bb7+
Sem teu amor  eu não posso viver
           Dm7          G7        Gm7
Que sem nós dois o que resta sou eu

 C7/9+                F7+
Eu     assim    tão  só
        Bm7      E7           F7+
E eu preciso aprender a ser só
      Cm7           F7       Bb7+
Poder dormir sem sentir teu amor
          Dm7        G7          Gm7
E ver que foi só um sonho e passou

C7/9+        Fm7
Ah . . . o amor
            Db7/9      C7/9+    F7+
Quando é demais ao findar leva paz
          Cm7   F7      Bb7+
Me entreguei    sem pensar
        Am7    Ab0          Gm7         C7/-9
Que a saudade existe e se vem é tão triste

F7+            Bm7       E7           F7+
Vê    meus olhos choram a falta dos teus
      Cm7          F7            Bb7+
Estes teus olhos que foram tão meus
         Bm7/-5      Bbm7          Am7  
Por Deus entenda que assim eu não vivo
 Ab0        Gm7       C7/9     F7+
Eu morro pensando no nosso amor. . . .
C7/9+    Fm7       C7/9      F7+
Ah! O amor,   no nosso amor
 
 

Nenhum comentário: