sexta-feira, 14 de abril de 2006

Os Cariocas


Conjunto vocal formado no Rio de Janeiro RJ em 1942, atuou ininterruptamente até 1967, alcançando maior popularidade nos períodos de 1948 a 1955 e de 1961 a 1967. Organizado pelos irmãos Ismael Neto (Ismael de Araújo Silva Neto, Belém PA 1925-1956) e Severino Filho (Severino de Araújo Silva Filho, Belém 1928-), moradores do bairro carioca da Tijuca, o grupo atuou como quinteto até 1961.

Contando inicialmente com Ari Mesquita, Salvador e Tarqüínio, amigos e moradores do mesmo bairro, começou apresentando-se no Instituto Lafayette, colégio onde o pai dos paraenses trabalhava como professor. Nessa época, Ismael iniciou-se no violão, enquanto Severino tomou aulas de teoria musical com Hans Joachim Koellreutter.

Em 1945, com Valdir Prado Viviani (pianista e solista de gaita) substituindo Ari Mesquita, que adoecera, o grupo se inscreveu no Papel Carbono, programa de calouros de Renato Murce na Rádio Clube (hoje Mundial). Estrearam cantando o fox If You Please, obtendo o terceiro lugar, o que os animou a tentar nova apresentação, desta vez alcançando o primeiro lugar com a interpretação de Rum and Coca-Cola.

Quando Renato Murce decidiu reunir o programa todos os vencedores das diversas disputas, o conjunto liderado por Ismael Neto foi o campeão absoluto. Decidiram então profissionalizar-se e, por intermédio de um amigo da família, Ismael conseguiu uma apresentação para o maestro Radamés Gnattali, na época diretor artístico da Rádio Nacional. Este gravou um acetato com o grupo e mostrou-o a Haroldo Barbosa, chefe da discoteca da emissora, que contratou o conjunto, na base de cachê, para atuar no programa Um Milhão de Melodias.

Em princípios de 1946, intitulando-se Os Cariocas, iniciaram carreira como artistas exclusivos da Rádio nacional, onde permaneceram por mais de 20 anos. Ainda em 1946 Tarqüínio e Salvador deixaram o grupo, e foi com a seguinte formação que Os Cariocas atravessaram sua primeira fase de maior popularidade: Badeco (Emanuel Barbosa Furtado), primeira voz; Severino Filho, segunda voz; Ismael Neto terceira voz e autor das vocalizações; Quartera (Jorge Quartarone), quarta voz; Valdir, quinta voz e solos, inclusive assobiados.

Em fins de 1947 João de Barro, diretor artístico da Continental e versionista de vários filmes do norte-americano Walt Disney, chamou o conjunto para realizar a dublagem do desenho animado Ferdinando. Convidados em seguida a gravar na Continental, lançaram, no início de 1948, Nova ilusão (Luís Bittencourt e José Meneses) e Adeus, América (Haroldo Barbosa e Geraldo Jacques), que marcaram, ambos, o primeiro grande sucesso do grupo. Entre outros discos seus lançados na Continental destacaram-se a marcha junina Eu também sou Batista (Wilson Batista e José Batista) e o baião Juazeiro (Luiz Gonzaga e Humberto teixeira). Atuando também como compositor, Ismael Neto fez Marca na parede, um dos grandes sucessos lançados por Os Cariocas na etiqueta Sinter, onde passaram a gravar a partir de 1950.

Em 1953 Ismael Neto passou a compor com Antônio Maria, e a dupla tornou-se responsável por alguns dos grandes sucessos de meados da década de 1950, como Canção da volta, lançada por Dolores Duran em 1954, e Valsa de uma cidade, gravada por Os Cariocas. Novamente na Continental em 1954 (no ano anterior haviam passado para a Victor), em dezembro o grupo participou da gravação da Sinfonia do Rio de Janeiro, um LP de dez polegadas com músicas de Tom Jobim e Billy Blanco .

Em fins de 1955 Severino Filho assumiu a liderança do conjunto, quando Ismael Neto adoeceu (morreria em 1956), sendo substituído por sua irmã, Hortênsia da Silva Araújo. Em 1956 o grupo apresentou-se na Argentina, México, Porto Rico e E.U.A.

Na fase da bossa-nova, na década de 1960, atuaram intensamente, incluindo novas composições em seu repertório e influenciando outros conjuntos vocais que surgiam, com seu estilo de interpretação. Em 1961 o grupo sofreu suas derradeiras alterações, com a saída de Hortênsia e Valdir, este substituído por Luís Roberto (Luís Roberto Gomes morreu no Rio, em 20/10/1988). Transformados em quarteto, gravaram dois LPs na Mocambo (1962) e passaram depois para a Philips, onde gravaram suas mais representativas interpretações dessa segunda fase, em vários LPs, até 1967, quando o grupo se dissolveu.

Após 1967, Severino Filho continuou trabalhando como arranjador de orquestras de estúdio. Em 1988, o grupo voltou a se apresentar e seus integrantes sofreram com a perda do contrabaixista Luís Roberto, que morreu de enfarte durante uma apresentação no Jazzmania. Em novembro de 1997, comemoraram 50 anos de carreira com show no Mistura Fina, e lançaram novo disco, o CD A bossa brasileira, pelo selo Albatroz, com a seguinte formação: Severino Filho (piano), Jorge Quartera (bateria) - os dois que restaram da formação original - e os recém-chegados Nil Teixeira (violão) e Eloi Vicente (baixo).

Veja também: 

Agostinho dos Santos
Alaíde Costa
Aloysio de Oliveira
Baden Powell
Billy Blanco
Bossa Nova, Dicionário da
Bossa Nova, História da
Bossa Nova, mais letras
Carlos Lyra
Chico Feitosa
Edu Lobo
Elizeth Cardoso
João Gilberto
Johnny Alf
Leila Pinheiro
Luiz Bonfá
Lula Freire
Maysa
Nara Leão
Newton Mendonça
Roberto Menescal
Ronaldo Bôscoli
Sylvia Telles
Tom Jobim
Vinícius de Moraes

______________________________________________________________________ Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha.

Nenhum comentário: