terça-feira, 25 de julho de 2006

O casamento dos pequenos burgueses

Chico Buarque
Intr.: (E G#m7 A B7) 4 vezes
E   G#m7     A     E           C#m7      F#7    B7
Ele faz o noivo correto, e ela faz que quase desmaia
E     A        B7      E    A                B7
Vão viver sob o  mesmo teto até que a casa caia,
A                B7
até que a casa caia
(Segue a mesma harmonia e melodia até o fim)
Ele é o empregado discreto, ela engoma o seu colarinho
Vão viver sob o mesmo teto até explodir o ninho,
até explodir o ninho
Ele faz o macho irrequieto, e ela faz crianças de monte
Vão viver sob o mesmo teto até secar a fonte,
até secar a fonte
Ele é o funcionário completo,
e ela aprende a fazer suspiros
Vão viver sob o mesmo teto até trocarem tiros,
até trocarem tiros
Ele tem um caso secreto, ela diz que não sai dos trilhos
Vão viver sob o mesmo teto até casarem os filhos,
até casarem os filhos
Ele fala em cianureto, e ela sonha com formicida
Vão viver sob o mesmo teto até que alguém decida,
até que alguém decida
Ele tem um velho projeto, ela tem um monte de estrias
Vão viver sob o mesmo teto até o fim dos dias,
até o fim dos dias
Ele às vezes cede um afeto, ela só se despe no escuro
Vão viver sob o mesmo teto até um breve futuro,
até um breve futuro
Ela esquenta a papa do neto, e ele quase que fez fortuna
Vão viver sob o mesmo teto até que a morte os una,
até que a morte os una... 
Postar um comentário