domingo, 4 de junho de 2006

As rosas não falam


A história de “As Rosas Não Falam” começou numa tarde de 1975 em que o compositor Nuno Veloso apanhou Cartola e sua mulher Zica para um passeio na Barra da Tijuca, onde pretendia visitar Baden Powell. Não tendo encontrado a casa do violonista, Nuno resolveu aproveitar a viagem para passar numa floricultura e comprar para Zica umas mudas de roseira que lhe havia prometido.

Tempos depois, flores desabrochadas dessas roseiras provocariam a indagação entusiástica de Zica (“Como é possível, Cartola, tantas rosas assim?...”) e a resposta desinteressada de Cartola (“Não sei. As rosas não falam...”), que ele acabaria aproveitando como mote para a canção: “Queixo-me às rosas / mas que bobagem, as rosas não falam / simplesmente as rosas exalam / o perfume que roubam de ti...”

Composta quando o autor completava 67 anos, “As Rosas Não Falam” foi lançada em 1976, num elepê notável, produzido por Juarez Barroso, o segundo de Cartola na gravadora Marcus Pereira. Neste álbum ele apresentava outras inéditas como a também obra-prima “O Mundo É um Moinho”.

Além da delicadeza e do requinte, o que espanta nessas duas músicas é o fato de terem sido criadas pelo compositor numa idade em que a maioria das pessoas já se encontra aposentada, sem muita coisa a oferecer. Cartola é um caso especial em nossa música popular. Homem de origem e vida modestíssimas era, ao mesmo tempo, o poeta/compositor sofisticado. Pena que somente nos últimos anos de vida tenha conseguido gravar a maior parte de sua obra (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

As rosas não falam (1976) - Cartola
Tom:Em
Introd.: Em Am Bbº B7 Em Am B7 Em F#7 Am B7 Em 
         E7 Am Bº Em F#7 Am B7 Em Am Bbº B7 Em   
Em
Bate outra vez
                F#7
Com esperanças o meu coração
                   Am        B7
Pois já vai terminando o verão
   Em    Am     B7
Emfim

Em
Volto ao jardim
                     F#7
Com a certeza de que devo chorar
                       Am
Pois bem sei que não queres voltar
B7      Em      E7
  Para mim

   Am                        B7
Queixo-me as rosas mas que bobagem
    Em
As rosas não falam
                Bbº
Simplesmente as rosas exalam
               Am           B7
O perfume que roubam de ti

      Em    
Devias   vir
                 Am
Para ver os meus olhos tristonhos
              Bbº
E quem sabe sonhavas meus sonhos
B7  Em
Por fim

Postar um comentário