terça-feira, 18 de julho de 2006

Arrastão


Surgindo no momento em que o pessoal da bossa nova começava a tomar outros rumos, Edu Lobo escolheu um caminho realista, que misturava protesto social e regionalismo. Era uma linha de certa forma influenciada pelo trabalho de Carlos Lyra no Centro Popular de Cultura da UNE, e que introduzia na moderna canção brasileira asperezas da música nordestina.

Requintado em sua simplicidade aparente, o vibrante “Arrastão” pertence à leva inicial das composições de Edu, tendo se sagrado vencedor do 1º Festival de Música Popular Brasileira, da TV Excelsior, que projetou seu nome e o de Elis Regina.

Curiosamente, a idéia da melodia nasceu numa reunião na casa dos Caymmi, quando era cantada a “História de Pescadores”, do anfitrião. Na terceira parte, intitulada “Temporal” (“Pedro! / Chico! / Lino! / Zeca!...”), Edu começou a improvisar um contracanto, que acabou se tornando a base da canção.

Já a letra, de Vinicius, temperada pelo misticismo que dominava sua produção no momento, focaliza uma cena de pescaria, finalizada com uma puxada de rede repleta de peixes: “Ê... tem jangada no mar / ê, iê, ê / hoje tem arrastão / ê, todo mundo pescar / (...) / nunca jamais se viu tanto peixe assim...”

“Arrastão” funcionou como uma espécie de divisor de águas entre a bossa nova e um tipo de música inicialmente chamada de “música popular moderna”, ou MPM. Esta sigla depois seria impropriamente trocada por MPB, mas MPB sempre foi e continuaria sendo usada como designativa de música popular brasileira, não importando se moderna ou antiga (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).



Arrastão (canção, 1965) - Edu Lobo e Vinícius de Moraes - Interpretação de Elis Regina
Tom: Am9

Am9                D7/9
Ê, tem jangada no mar
Am9                   D7/9
Ê, ê, ê, hoje tem arrastão
Bm7               E7
Ê, todo mundo pescar
C7M                 D7/9
Chega de sombra, João

G7M
Jovi
F7M                                   G7M
Olha o arrastão entrando no mar sem fim
F7M                                G7M
É, meu irmão, me traz Iemanjá prá mim

C7            Dm       D/C
Minha Santa Bárbara
G/B
Me abençoai
Gm/Bb      Dm/A   Dm/F    Gm7
Quero me casar    com Janaína

Am9              D7/9
Ê, puxa bem devagar
Am9                        D7/9
Ê, ê, ê, já vem vindo o arrastão
Bm7              E7
Ê, é a rainha do mar
C7M                 D7/9
Vem, vem na rede João
G7M
Prá mim
F7M                                G7M
Valha-me meu Nosso Senhor do Bonfim
F7M                               G7M
Nunca jamais se viu tanto peixe assim
 
 
Postar um comentário