domingo, 28 de maio de 2006

Baila comigo

Com suas canções alegres, maliciosas, verdadeiros jingles facilmente assimiláveis, Rita Lee tornou-se uma fértil provedora de temas para telenovelas. Esses temas chegariam mesmo a dar título a algumas delas como “Baila Comigo”, uma história de gêmeos criados separados (personagens vividos pelo ator Tony Ramos), que nada tinha a ver com a letra da canção: “Um dia eu quero ser índio / viver pelado pintado de verde / num eterno domingo / (...) / baila comigo, como se baila na tribo / lá no meu esconderijo...”

Tal como “Mania de Você”, esta melodia também ficou pronta em minutos, sendo uma das chamadas (pela própria autora) “psicografias musicais”. O arranjo de Roberto de Carvalho e a interpretação macia de Rita — com a voz mais uma vez dobrada — repetem o esquema latino do disco anterior, com todo aquele refinado acabamento.

Destacam-se ainda na gravação a adequada intervenção de um naipe de sopros, mais uma coda rumbada, devidamente recheada de muitos “ay, ay, ay”, “corazón”, “que locura” e outros chamamentos típicos dos “sofieros”, bem a calhar com o estilo de dança então em moda nas discothèques brasileiras. Lançado no final de 80, “Baila Comigo” foi sucesso no período março/setembro de 81, quando a novela esteve no ar (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Baila comigo (1981) - Rita Lee - Intérprete: Rita Lee

LP Rita Lee / Título da música: Baila comigo / Rita Lee (Compositora) / Rita Lee (intérprete) / Gravadora: Som Livre / Ano: 1980 / Álbum: 403.6217 / Lado A / Faixa 3.

Intro: E       E5+       E6 E7

           A7M Bm7          E      A7M   Bm7
Se Deus quiser, um dia eu quero ser índio
         E       A7M         Am7   D7(9)    G7M  G6 Gm7
Viver pelado, pintado de verde num eterno domingo
      C7(9)      F7M      F6        B7
Ser um bicho preguiça e espantar turista
         E            E5+           E6             E7
E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, sol

Se Deus quiser um dia acabo voando
Tão banal, assim como um pardal, meio de contrabando
Desviar de estilingue, deixar que me xinguem
E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, banho de sol

Bm7  E  A7M F#m7 Bm7
Baila comigo,
         E        A7M F#m7
Como se baila na tribo
Bm7 E   A7M F#m7 B7(9)
Baila comigo,
                  E  E5+ E6 E7
Lá no meu esconderijo

Se Deus quiser um dia eu viro semente
E quando a chuva molhar o jardim, ah, eu fico contente
E na primavera vou brotar na terra
E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, sol

Se Deus quiser um dia eu morro bem velha
Na hora "H" quando a bomba estourar quero ver da janela
E entrar no pacote de camarote
E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, banho de sol
Postar um comentário