quinta-feira, 13 de julho de 2006

Clarisse

Legião Urbana
Tom: G
Intro: (D C A G Em A C) 2x

             D                   C
   Estou cansado de ser vilipendiado
                          A
   Incompreendido e descartado
         G                   Em             A C
   Quem diz que me entende nunca quis saber
      D                                 C
   Aquele menino foi internado numa clínica
                   A                        G
   Dizem que por falta de atenção,dos amigos,das lembranças  
                            Em
   Dos sonhos que se configuram,tristes e inertes
              A
   Como uma ampulheta imóvel,não se mexe
             C
   Não se move,não trabalha
 D       C                             A
   E Clarisse está trancada no banheiro 
           G                             Em
   E faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete
   A                           C             D
   Deitada no canto,seus tornozelos sangram
        C                        A
   E a dor é menor do que parece
                 G                    Em
   Quando ela se corta,ela se esquece
               A                C         D    C
   Que é impossível ter da vida calma e força
                A                G
   Viver em dor,o que ninguém entende
                        Em                 A C
   Tentar ser forte a todo e cada amanhecer
   D
   Uma de suas amigas já se foi
   C                                A
   Quando mais uma ocorrência policial
                          G
   Ninguém entende,não me olhe assim
               Em
   Com este semblante de bom-samaritano
       A                 C                     D
   Cumprindo o seu dever,como se eu fosse doente
            C             A              G
   Como se toda essa dor fosse diferente,ou inexistente
          Em                   A
   Nada existe pra mim,não tente
             C               D
   Você não sabe e não entende
               C
   E quando os antidepressivos e os calmantes
                   A
   Não fazem mais efeito
                           G
   Clarisse sabe que a loucura está presente
                Em
   E sente a essência estranha do que é a morte
   A                      C            D
   Mas esse vazio ela conhece muito bem
        C
   De quando em quando é um novo tratamento
   A
   Mas o mundo continua sempre o mesmo
      G                             Em
   O medo de voltar pra casa à noite
                                A
   Os homens se esfregam nojentos
                                      C
   No caminho de ida e volta da escola
                                    D
   A falta de esperança e o tormento
                       C               A
   De saber que nada é justo e pouco é certo
                      G
   E que estamos destruindo o futuro
                    Em                        A C
   E que a maldade anda sempre aqui por perto
          D
   A violência e a injustiça que existe
            C              A
   Contra todas as meninas e mulheres
   G                            Em
   Um mundo onde a verdade é o avesso
                      A          C      D
   E a alegria já não tem mais endereço
   C
   Clarisse está trancada no seu quarto
               A                           G
   Com seus discos e seus livros,seu cansaço
                   Em
   Eu sou um pássaro,me trancam na gaiola
   A                             C
   E esperam que eu cante como antes
   D
   Eu sou um pássaro
   C                  A
   Me trancam na gaiola
                     G
   Mas um dia eu consigo resistir
                  Em               A
   E voar pelo caminho mais bonito
                      C         (D C A G Em A C)8x
   Clarisse só tem catorze anos

Nenhum comentário: