quarta-feira, 3 de maio de 2006

Baião

Luiz Gonzaga
O ciclo do baião, a música que melhor enfrentou a invasão do bolero ao final dos anos quarenta, começou com o lançamento desta composição, em outubro de 1946. Conscientes do potencial até então pouco explorado da música nordestina, seus autores, Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, são os estilizadores que tornaram o gênero assimilável ao gosto do público urbano.

Como peça abre-alas, "Baião" apresenta o ritmo, com forte ênfase na síncope do segundo tempo, e ensina como dançá-lo, ao mesmo tempo em que convida o ouvinte a aderir à novidade. Tudo isso sobre uma melodia cheia de sétimas menores, semelhante às cantigas de cantadores do Nordeste.

A bemolização da sétima nota do acorde representaria o devaneio de um possível elo entre o baião e o blues, mas na verdade remete ao ancestral mouro da música nordestina. A nostalgia, a possibilidade de improviso, a tendência constante de caminhar em busca da tônica e de bemolizar a terça, a quinta e a sétima, estão presentes nos blues, nas cantigas nordestinas e no canto da Andaluzia.

Baião (baião, 1946) - Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira

Disco 78 rpm / Título da música: Baião / Autoria: Teixeira, Humberto, 1916-1979 (Compositor) / Gonzaga, Luiz (Compositor) / Quatro Ases e um Coringa (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1946 / Nº Álbum 12724 / Lado B / Gênero musical: Baião /
Tom: C
                    
C7
Eu vou mostrar pra vocês

Como se dança o baião

E quem quiser aprender
                    F7
É favor prestar atenção

Morena chega pra cá

Bem junto ao meu coração
                 D7
Agora é só me seguir
               G7       C
Pois eu vou dançar o baião
                 F7
Eu já dancei balancê

Xamego, samba e xerém

Mas o baião tem um quê

Que as outras dancas não têm

Oi quem quiser é só dizer
                   D7
Pois eu com satisfação
                        C
Vou dançar cantando o baião
                  F7
Eu já cantei no Pará

Toquei sanfona em Belém

Cantei lá no Ceará

E sei o que me convém

Por isso eu quero afirmar
               D7
Com toda convicção
               G7     C
Que sou doido pelo baião 


Fonte: A Canção no Tempo - Vol. 1 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34.
Postar um comentário