quarta-feira, 31 de maio de 2006

Ouro de tolo



Originalmente apresentado num compacto, “Ouro de Tolo” consolidou o seu sucesso no elepê Krig-Ha Bandolo, o primeiro de Raul Seixas, lançado em 21 de julho de 73, com um show no Teatro Teresa Raquel, no Rio.

Desenvolvida sobre uma base melódico-harmônica de extrema simplicidade, esta composição mistura confissões autobiográficas com críticas ao procedimento fútil e perdulário da alta classe média: “Eu devia estar alegre e satisfeito / por morar em Ipanema / depois de ter passado fome por dois anos / aqui na Cidade Maravilhosa / eu devia estar sorrindo e orgulhoso / por ter finalmente vencido na vida / (...) / ah, mas que sujeito chato sou eu / que não acho nada engraçado / macaco, praia, carro, jornal, tobogã / eu acho tudo isso um saco...”

Trazendo ainda os sucessos “Mosca na Sopa” e “Metamorfose Ambulante”, além de outras canções do mesmo teor — “não sou cantor nem compositor, uso a música para dizer o que penso”, afirmava Raul Seixas —, Krig-Ha Bandolo é considerado por muitos como o seu disco mais importante. O surpreenden1te é que Raul foi buscar o pitoresco título do elepê nas histórias de Tarzan. E o grito de guerra do herói e significa “Cuidado! Aí vem o inimigo” (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jaime Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Ouro de tolo (1973) - Raul Seixas
(intro) ( G G6 F C D4 D )

E |-3-2-|        E|-0---|          E|-3--2-|
B |-----|        B|-----|          B|------|
G |-----|        G|-----|          G|-2--2-|
D |-----| (1x)   D|-3---| (1x)     D|------|
A |-----|        A|-----|          A|------|
E |-3-3-|        E|-----|          E|------|

                  (G G6)
Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
    Am
Por mês
Eu devia agradecer ao Senhor
                D
Por ter tido sucesso na vida como artista
Eu devia estar feliz
                                  G
Porque consegui comprar um Corcel 73
   (G G6)
Eu devia estar alegre e satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado fome por dois anos
                      Am
Aqui na Cidade Maravilhosa
Ah! Eu devia estar sorrindo e orgulhoso
              D
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isso uma grande piada
                      G       G7
E um tanto quanto perigosa
                  C
Eu devia estar contente
Por ter conseguido tudo o que eu quis
Mas confesso abestalhado
                     Bm
Que eu estou decepcionado

E |-----------------|
B |---2-3-5-3-2-3---| (riff)
G |-4---------------|

   C
Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto: E daí?
                A7
Eu tenho uma porção de coisas grandes
                        D               G         F  D
Pra conquistar, e eu não posso ficar aí parado

   (G G6)
Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Pra ir com a família ao Jardim Zoológico
                 Am
Dar pipoca aos macacos
Ah! Mas que sujeito chato sou eu
             D
Que não acha nada engraçado
Macaco praia, carro, jornal, tobogã
                     G
Eu acho tudo isso um saco
    (G G6)
É você olhar no espelho
Se sentir um grandessíssimo idiota
Saber que é humano, ridículo, limitado
Que só usa dez por cento de sua
  Am
Cabeça animal
                                  D
E você ainda acredita que é um doutor, padre ou policial
Que está constribuindo com sua parte
                         G       G7
Para nosso belo quadro social

C
Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarda cheia de dentes
            Bm
Esperando a morte chegar

E |-----------------|
B |---2-3-5-3-2-3---| (riff)
G |-4---------------|

 C
Porque longe das cercas embandeiradas que separam quintais
A7
   No cume calmo do meu olho que vê
  D                                  G
Assenta a sombra sonora de um disco voador
C
Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarda cheia de dentes
            Bm
Esperando a morte chegar

E |-----------------|
B |---2-3-5-3-2-3---| (riff)
G |-4---------------|

 C
Porque longe das cercas embandeiradas que separam quintais
A7
   No cume calmo do meu olho que vê
  D                                  G
Assenta a sombra sonora de um disco voador



Nenhum comentário: