segunda-feira, 17 de julho de 2006

Agnus Sei

João Bosco
João Bosco e Aldir Blanc
G#m7/9 
Faces sob o sol, os olhos na cruz 
                    A/C# 
Os heróis do bem prosseguem na brisa na manhã 
   Fm5-/7       E7M       D#m5-/7
Vão levar ao reino dos minaretes 
               B6/7       E7M 
      a paz na ponta dos aríetes 
    D#7/9        G#m7/9 
A conversão para os infiéis para trás ficou a marca da cruz 
                A/C# 
Na fumaça negra vinda na brisa da manhã 
Fm5-/7     E7M             D#m5-/7 
Ah, como é difícil tornar-se herói 
   B7/13            E7M           D#7/9          G#m7/9 
Só quem tentou sabe como dói vencer satã só com orações  
G#m7/9                  A#7 
Ê andá pa Catarandá que Deus tudo vê 
G#m7/9                  A#7 
Ê andá pa Catarandá que Deus tudo vê 
           A7M                         G#m7/9 
Ê anda, ê hora, ê manda, ê mata, responderei não! 
Dominus dominium juros além 
             A/C# 
Todos esses anos agnus sei que sou também 
Fm5-/7     E7M           D#m5-/7        B7/13              E7M 
Mas ovelha negra me desgarrei, o meu pastor não sabe que eu sei 
     D#7/9       G#m7/9 
Da arma oculta na sua mão, meu profano amor eu prefiro assim 
               A/C# 
À nudez sem véus diante da Santa Inquisição 
Fm5-/7   E7M         D#m5-/7       B7/13           E7M 
Ah, o tribunal não recordará dos fugitivos de Shangri-Lá 
     D#7/9     G#m7/9 
O tempo vence toda a ilusão 
G#m7/9                A#7 
Ê andá pa Catarandá que Deus tudo vê 
G#m7/9                A#7 
Ê andá pa Catarandá que Deus tudo vê 
             A7M                           G#m7/9 
Ê anda, ê hora, ê manda, ê mata, responderei não! 
Postar um comentário