segunda-feira, 17 de julho de 2006

O pato

João Gilberto
“O Pato” fazia parte do repertório dos Garotos da Lua desde o final dos anos quarenta. Entretanto, jamais foi gravado pelo conjunto e, provavelmente, permaneceria inédito em disco se não tivesse caído nas graças de João Gilberto. Ex-crooner do grupo, João apaixonara-se por este samba inusitado e fez questão de incluí-lo em seu segundo elepê.

Jaime Silva (1921-1973) era um mulato alto, elegante e simpático”, segundo Ruy Castro no livro Chega de saudade. Alagoano de nascimento, mas morando no Rio desde menino, era sapateiro do serviço de intendência do Exército, além de pandeirista e eventual compositor, nas horas vagas. Costumava namorar sua futura esposa, Maria, no Campo de Santana, Zona Centro do Rio de Janeiro, onde observando patos e marrecos se esbaldarem no laguinho local prometia, contemplativo: “ainda vou fazer uma música com esses patinhos...”.

E isso de fato logo aconteceu, quando ele compôs, com a parceira Neuza Teixeira, “Aves no Samba”, título que modificaria para “O Pato”, por sugestão de João Gilberto. Como “Lobo Bobo”, “O Pato” acabou caracterizando o lado galhofeiro da bossa nova, concentrado na letra que descreve a exótica cena de um quarteto vocal, formado pelo pato, o marreco, o ganso e o cisne ensaiando à beira da lagoa o “Tico-Tico no Fubá”.

Além da graciosa interpretação do João, contribuiu para o sucesso da canção o saboroso arranjo timbrístico de Tom Jobim, elaborado com o cantor nos dez dias de janeiro de 1960 passados no sítio em Poço Fundo onde o disco foi concebido.

Destaca-se nesse arranjo um contraponto da flauta (respondendo às palavras “o Tico-Tico no Fubá”) e do clarone, com intervenções tão marcantes aos “qüem-qüem”, que suas frases terminaram por se incorporar à própria composição. O final em fade-out é um dos momentos mais deliciosos da bossa nova, com possibilidades de variações harmônicas e de improvisos que parecem não ter fim. Não foi assim à toa que Jobim escreveu na contracapa desse álbum: “E tudo foi feito num ambiente de paz e passarinho. P.S. — As crianças adoraram ‘O Pato’.” (A Canção no Tempo - Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Ed. 34).

O pato (samba bossa, 1960) - Jaime Silva e Neuza Teixeira - Intérprete: João Gilberto

LP O Amor Sorriso e a Flor / Título da música: O pato / Teixeira, Neuza (Compositor) / Silva, Jaime (Compositor) / Gilberto, João (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1960 / Nº Álbum MOFB 3151 / Lado B / Faixa 2 / Gênero musical: Samba.

Intro: (D6/9)

D6/9                     E7/9
O pato vinha cantando alegremente, quém, quém 
                     Em7/9     A6/7
Quando um marreco sorridente pediu 
                       D6/9
Pra entrar também no samba, no samba, no samba
  D6/9                         E7/9
O ganso gostou da dupla e fez também quém, quém 
                         Em7/9       A6/7
Olhou pro cisne e disse assim "vem, vem" 
                      D6/9 G6/7 D6/9        D7/9
Que o quarteto ficará bem, muito bom, muito bem
             G7+
Na beira da lagoa foram ensaiar
       E7/9         A6/7     D6/9 D7/9
Para começar o tico-tico no fubá
          G7+      Gm6        D7+/F# D7/9
A voz do pato era mesmo um desacato
          G7+       Gm6       D7+/F# D7/9 G7+
Jogo de cena com o ganso era mato 
         Gm6      D7+/F#                E7/9
Mas eu gostei do final quando caíram n'água 
 A6/7          D6/9
E ensaiando o vocal 
(D6/9 E7/9 Em7/9 A6/7)
quém, quém, quém, quém

quém, quém, quém, quém

quém, quém, quém, quém
Postar um comentário