sábado, 29 de julho de 2006

Chuva, suor e cerveja



Este frevo é a segunda incursão bem-sucedida de Caetano Veloso na área da música carnavalesca, praticamente abandonada pelos grandes compositores a exceção de baianos (como Moraes Moreira e Luís Caldas) e pernambucanos (Alceu Valença, Carlos Fernando).

Na esteira de “Atrás do Trio Elétrico”, Caetano volta a utilizar aqui dois expedientes em que é mestre: as atropeladas de letra, ou seja, a aceleração no ritmo de emissão de determinadas palavras para que possam caber na frase musical (como no verso “eu acabo de perder a cabeça”) e a capacidade de usar a prosódia para provocar síncopes, que podem confundir ouvintes e até cantores menos atentos: “Acho que a chuva ajuda a gente a se ver / venha, veja, deixa, beija / seja o que Deus quiser...”

Caetano Veloso - 1972
Em ambas as situações o efeito rítmico é instigante e, como foi dito, constitui uma atração a mais na obra de Caetano. “Chuva, Suor e Cerveja” foi lançada em dezembro de 71 num compacto duplo intitulado O carnaval de Caetano.

Este disco, de acompanhamento modesto, mas competente, inclui ainda “Barão Beleza” (de Tuzé de Abreu), “Pula-Pula” (de Macalé e Capinan), “Qual É Baiana?” e “La Barca”, sendo as duas últimas de Caetano em parceria com Moacir Albuquerque (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).


Chuva, suor e cerveja (frevo, 1972) - Caetano Veloso
Int.: E7+ A/B E7+ B7/13
               
                  E7+
Não se perca de mim
 A/B              E7+
Não se esqueça de mim 
C#m7      F#m  C#7/9-
Não desapareça 
F#m C#7/9-      F#m
A chuva tá caindo 
 C#7/9-           F#m
E quando a chuva começa 
    B7/13              E7+  A/B E7+
Eu acabo perdendo a cabeça 
    A7+          E7+
Não saia do meu lado 
 A/B           E7+
Segure o meu pierrot molhado 
D/E E7/9-  A7+             A#º E
E vamos embolar ladeira abaixo 
   C#m7         F#m     B7/13    D/E E7/9-
Acho que a chuva ajuda a gente a se ver 
 A7+    A#º         C#m7   F#m
Venha, veja, deixa, beija, seja 
      B7/13  E
O que Deus quiser

A gente se embala, se embora, se embola
Só pára na porta da igreja

A gente se olha, Se beija, se molha
De chuva suor e cerveja
 
 
Postar um comentário