quarta-feira, 12 de julho de 2006

Canibaile

Canibaile - Guinga e Aldir Blanc - Interpretação: Leila Pinheiro
B
Qüém-qüém, andei cantando alegremente
          Aº           F#º   
E a cada pacto, eu, o pato, 
              C7M/G
   era um frango de macumba
A#m7(11)           D#7/4(9)  G#m7(9)
        Vinha os turistas, viviam   me alugando
     Am7(11)     D7(9)       G(add9)
E ain_______da furavam meu zabumba
G/F                 C/E        F#/E
   Depois ligavam o rádio na FM    
                       B    F#7
Dançando sobre a minha tumba

  B        F#7        B
Eu senti o drama do maneta
        Aº            F#º           C7M/G
Uma das mãos tomou Buscheta e com a outra o que é que eu faço?
A#m7(11)        D#7/4(9)   G#m7(9)
        Virei palhaço   no circo  onde o calouro
 Am7(11)     D7(9)       G(add9)
É       o toureiro e é o touro
G/F               C/E       F#/E                   B
   E ouve rádio ligado na FM    Enquanto toma pelo couro

C#º        Bº          G7(9)
   Araquiri, maracutaia...  
                    F#7(#5)
Eu vou soltar pomba-gira   nessa praia
C#º        Bº          G7(9)
   Araquiri, maracutaia...  
                    F#7(#5)
Eu vou soltar pomba-gira   nessa praia

   B6/9
Mas    que som, que saco, que mentira!
          A#m7(11)              A7(#11)
Falei pro Jackson, lembramos Djanira,  
                 G#7(9)                  G#/F#
  ele foi chamar Almira  e isso vai continuar
      C#/F                       F#/E               B
Porque     nunca se viu na cascavel o guizo dela enguiçar

         B
Qüém-qüém, andei cantando alegremente...

   B6/9
Der____ramaro o gái do candiêro
           A#m7(11)                A7(#11)
Nesse entrevero,   uso cocô e fico firme, 
               G#7(9)                     G#/F#
  pode vir David Byrne porque o canibal sou eu:
   C#/F                            F#/E                    B
No pau  descasco e como o tal rei Momo que cagou no que é meu
                                   Bº           B
E o tempero que é difícil, nem com fuzileiro e míssil...
                             B6/9
Bedelho, ara! Mai que time é teu?
Postar um comentário