quinta-feira, 20 de julho de 2006

Upa, neguinho

O ouvido apurado de Elis Regina (foto) para detectar o potencial de uma canção relativamente pobre e transformá-la em sucesso seria posto à prova pela primeira vez em “Upa Neguinho”. A princípio grafada como “Upa Negrinho”, a composição era cantada por Gianfrancesco Guarnieri na peça “Arena Conta Zumbi” estreada no Teatro de Arena de São Paulo em 01/05/65.

Refere-se sua letra a um personagem, menino cafuz, a quem se pede para crescer depressa, na expectativa, talvez, de que um dia possa ajudar a melhorar um mundo onde a liberdade é apenas uma esperança. Em sua simplicidade “Upa Negrinho” era quase uma vinheta, que servia de ligação entre algumas cenas. Mas, ao ouvi-la, Elis bateu pé e só sossegou quando obteve a permissão para gravá-la, quebrando a resistência de Edu Lobo, que tudo fez para que ela desistisse.

Ao apresentá-la em cena, Guarnieri era acompanhado por um trio de flauta (Neném), violão (Carlos Castilho) e percussão (Anunciação), já tendo a canção na ocasião a famosa introdução, com o acorde de quinta diminuta sob a quarta nota, que funcionava como um chamamento para o refrão: “Upa negrinho na estrada / upa pra lá e pra cá / virge que coisa mais linda / upa negrinho começando a andar...”

Mas, não existiam os breques com percussão, que seriam criados por Elis nos versos “capoeira / posso ensinar / ziquizira / posso tirar / valentia / posso emprestar / mas liberdade só posso esperar...” Elis também acentuou com palmas e sem vocal a quarta repetição da frase da introdução, que entoava “pa-ta-ta-trii-trii-triipa-ta-ta...“, fechando sua interpretação com um ardoroso final, que não existia na peça. Pode-se assim dizer que a cantora reinventou a música, ao adaptá-la ao seu próprio estilo. Isso ocorreu com mais duas canções da peça, também incorporadas ao seu repertório: “A Mão Livre do Negro”, que virou “Estatuinha” e “Zambi no Açoite”, transformada em “Zambi”.

Cantado em público por Elis pela primeira vez na noite da gravação ao vivo de “O Fino da Bossa”, pelo então técnico de som Zuza Homem de Mello (para disco Dois na bossa n°2), “Upa Neguinho” foi recebido entusiasticamente pela plateia, O sucesso desse elepê abafou o do disco de estreia de Elis na Philips (Samba eu Canto assim), motivando prognósticos desfavoráveis ao seu futuro como cantora de estúdio que, como se sabe, não se confirmaram.

“Upa Neguinho” tornou-se número obrigatório nos espetáculos de Elis Regina, que o cantou, inclusive, no Midem e no Olympia de Paris, por ocasião de sua primeira turnê internacional. Regravou-o ainda várias vezes, a última das quais no Festival de Montreaux, em 1979. Tão forte tornou-se a integração Elis/”Upa Neguinho” que raramente outros cantores se atrevem a gravá-lo (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Upa, neguinho (samba, 1966) - Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri - Interpretação: Elis Regina.

LP/CD Dois Na Bossa Número 2 - Elis Regina e Jair Rodrigues / Título da música: Upa Neguinho / Edu Lobo (Compositor) / Gianfrancesco Guarnieri (Compositor) / Elis Regina (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1966 / Álbum: P-632.792-L / Faixa 7 / Gênero musical: Samba.

Intr.: D D(#11) / / D D(#11) / / D D(#11) / /
D7M(6/9)       Am7(9)/D        D7M(6/9)
Upa, neguinho  na estra________da
Am7(9)/D         D7M(6/9)
Upa, pra lá       e pra cá
Am7(9)/D         D7M(6/9)
Virge que coisa    mais lin________da
Am7(9)/D                 D7M(6/9)
Upa, neguinho  começando a andar
D7M(6/9)       Am7(9)/D        D7M(6/9)
Upa, neguinho  na estra________da
Am7(9)/D         D7M(6/9)
Upa, pra lá       e pra cá
Am7(9)/D         D7M(6/9)
Virge que coisa    mais lin________da
Am7(9)/D                 D7M(6/9)
Upa, neguinho  começando a andar
D7M(6/9)          
Começando a andar 
Am7(9)/D              D7M(6/9) Am7(9)/D
Começando a andar
D7M(6/9)       Am7(9)/D
E já começa    a apanhar
Dm7(9) / Em7(9)/D / Dm7(9) / Em7(9)/D / F#7/E /
         B7            F#7/E
Cresce neguinho me abra_____ça
B7            D
Cresce e me ensina a cantar
Am7(9)/D         D
Eu vim de tanta   desgraça
Am7(9)/D        D
Mas muito te posso   ensinar
Am7(9)/D
Mas muito te posso   ensinar
D7M(6/9)           Am7(9)/D
Capoeira, posso   ensinar
D7M(6/9)            Am7(9)/D
Ziquizira, posso   tirar
D7M(6/9)           Am7(9)/D
Valentia, posso   emprestar
D              E/D   
Liberdade só posso esperar
Postar um comentário