terça-feira, 11 de abril de 2006

Djavan


Djavan (Djavan Caetano Viana), cantor e compositor, nasceu em 27/01/1949 em Maceió AL. De família pobre, aos 16 anos começou a tocar violão, que aprendeu de ouvido. Em Maceió, formou o grupo Luz, Som, Dimensão, mais conhecido como LSD, com repertório dos Beatles. Mudou-se para o Rio de Janeiro RJ em 1973, quando foi contratado como crooner na boate Number One.

Em 1975 foi premiado com o segundo lugar pela canção Fato consumado, no Festival Abertura, da TV Globo. No ano seguinte, gravou o primeiro LP, A voz, o violão e a arte de Djavan, pela Som Livre, que incluía uma de suas criações mais consagradas, Flor de lis.

No final da década de 1970, suas composições adquiriram estilo de grande lirismo e letras com elaborados jogos de imagens.

Em 1980, pela EMI, lançou o disco Alumbramento. Seu disco seguinte, Seduzir, apresentava trabalho percussivo com características africanas, incluindo sucessos como Açaí e Faltando um pedaço. Assinando contrato com a CBS (atual Sony Music), viajou para os EUA para gravar Luz, disco que incluiu a expressão "caetanear" na letra de Sina, retribuída por Caetano Veloso ao gravar a musica no LP Cores e nomes, em que usa o verbo "djavanear". Alem disso, Luz contou com a participação de Stevie Wonder na faixa Samurai.

Em 1984 lançou Lilás (com Lilás, Esquinas, Infinito) e participou como ator do filme Para viver um grande amor, de Miguel Faria Jr.

Ainda na década de 1980, gravou os discos Meu lado (1986), com Segredo, Topázio e Quase de manhã; Não é azul mas é mar (1987), com Dou não dou, Florir, Soweto – gravado nos EUA, em inglês, como Bird of Paradise (1988) –; e Djavan (1989), com Corisco, Vida real, e cuja música Oceano, acompanhada pelo violão de Paco de Luccia, foi incluída na trilha da novela Top Modal, da TV Globo. Seus discos, que passaram a mesclar diversos gêneros musicais, como samba, funk, musica de viola, baladas e ritmos africanos, tornaram-se sucesso no mercado brasileiro e internacional.

Na década de 1990, lançou os CDs Coisa de acender (1992, Sony), em que aparece Linha do Equador, sua primeira composição em parceria com Caetano Veloso; Novena (1994, Sony), em que explora a tradição nordestina e faz parceria com a filha Flávia Virgínia na música Avo; e Malásia (1996, Sony), que traz Correnteza (Tom Jobim e Luís Bonfá) e Sorri (Smile, Charles Chaplin, versão de João de Barro).

Algumas de suas composições encontraram grandes intérpretes, como Gal Costa (Açaí), Maria Bethânia (Álibi), Caetano Veloso (Oceano), Roberto Carlos (A ilha) e Nana Caymmi (Meu bem-querer). Nos EUA teve intérpretes como Carly Simon, Al Jarreau, Carmen McRae e o grupo Manhattan Transfer. Foram seus parceiros Artur Maia (Alivio), Orlando Morais (A rota do indivíduo), Gilberto Gil (Corisco), Chico Buarque (Alumbramento), alem de Cacaso, Aldir Blanc, Nelson Mota, entre outros.

Músicas de Djavan


Veja também



Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha, SP.
Postar um comentário